Holanda 3x1 Bulgária

Vitória mantém sonho vivo, mas a realidade é bem dolorosa

Holanda vence a Bulgária, e leva decisão para as rodadas finais

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Filament.io 0 Flares ×

No último domingo, a Holanda entrou em campo, para buscar mais uma vitória dentro do Grupo A, e manter as esperanças vivas de classificação para a próxima Copa do Mundo, que será em 2018 na Rússia. Diante da Bulgária, os holandeses teriam uma missão complicada, bater um dos candidatos a uma das duas vagas do grupo. Dick Advocaat entrou com algumas alterações no time, na defesa, teve o retorno do lateral direito Kenny Tete, no meio de campo, Kevin Strootman deu lugar para Tonny Vilhena, e Wesley Sneijder, perdeu sua titularidade para Davy Pröpper. Vale lembrar que Dick Advocaat manteve o mesma esquema de jogo, que tomou 4 gols diante da França em Saint-Denis.

A Holanda fez seu dever de casa, e despachou os bulgaros, ao vencer por 3×1, o problema é que a Suécia também venceu, e deixou a situação ainda mais complicada no grupo para a Holanda, isso porque, mesmo que a Oranje vença o jogo contra a Bielorrússia e o confronto direto contra a Suécia, terá que tirar uma desvantagem de seis gols, que hoje existe entre as duas equipes.

O que deu mais emoção ao grupo, foi que no final desse domingo, Luxemburgo conseguiu arrancar um empate histórico diante da França fora de casa, e isso fez com que as esperanças dos holandeses renascesse, isso porque a Suécia enfrentará na próxima rodada, a seleção de Luxemburgo, dentro de casa.

O Jogo.

O pensamento de Dick Advocaat antes do jogo, era que com Davy Pröpper, o time fosse mais para dentro do adversário, coisa que com Sneijder dificilmente aconteceria, porque o veterano meia, faz o jogo rodar mais, sem tanta objetividade quanto Davy Pröpper, e isso deu certo, principalmente no começo do jogo, tanto que com apenas 07 minutos de jogo, saiu o primeiro gol da partida, mas antes, Georginio Wijnaldum finalizou a primeira bola no jogo, mas ela morreu na linha de fundo, sem muitos perigos para Plamen Iliev.

E aos 07 minutos de jogo, o tão esperado gol da Holanda. Em bela troca de passes entre Daley Blind, Quincy Promes e Vincent Janssen, o lateral esquerdo Blind, recebeu na esquerda, mas já dentro da grande área, e cruzou rasteiro para Davy Pröpper empurrar para o fundo das redes, e comprovar que a alteração realizada por Dick Advocaat realmente era a melhor possível.

Aos 17 minutos, quase que a Bulgária chegaria em seu primeiro gol no jogo. Stanislav Manolev cruzou da direita para esquerda, na cabeça de Strahil Popov, o camisa 07, sem sair do chão, finalizou de cabeça, a bola bateu na trave e a defesa holandesa afastou o perigo para longe.

Nos primeiros minutos de jogo, mesmo saindo atrás, a Bulgária demostrava uma organização defensiva muito bem desenhada, tanto que a bola tinha que ficar nos pés dos dois zagueiros holandeses, que ficaram com a missão de encontrar espaços para tocar a bola e as jogadas progredirem. O problema é que isso gera muito erro, afinal de contas, os zagueiros não estão acostumados com esse tipo de situação. A Bulgária fechava o time com duas linhas de quatro bem definidas e os dois atacantes ficavam marcando a linha de passe dos dois zagueiros.

Aos 33 minutos, a bola teve que chegar nos pés do goleiro Jasper Cillessen, que deu um bombão para a frente. Vincent Janssen tocou de cabeça para Davy Pröpper, o camisa 10 dominou a bola e tocou novamente para Janssen, que dominou e de esquerda e fora da área, fuzilou a meta do goleiro Plamen Iliev, mas a bola acabou saindo pela linha de fundo.

Como falamos mais acima, a Bulgária estava muito bem postada defensivamente, mas quando a Holanda começava a trocar passes em velocidade, isso complicava demais a vida dos búlgaros, tanto que aos 66 minutos, Arjen Robben deixou sua marca. Em bela troca de passes e movimentação do setor ofensivo, Davy Pröpper, Vincent Janssen e Quincy Promes conseguiram iludir a marcação do time búlgaro, e com isso, Daley Blind entrou na grande área livre, sem marcação, cruzou novamente a bola rasteira para a pequena área, e dessa vez quem apareceu, foi Arjen Robben para completar a jogada e marcar o segundo dos holandeses na partida.

No lance seguinte, a Bulgária descontou para os visitantes. Em cobrança de falta, a bola passou por toda a defesa holandesa e Georgi Kostadinov se abaixou completamente para desviar a bola para o fundo das redes. Jasper Cillessen nada conseguiu fazer para impedir o gol da Bulgária.

Esse gol era altamente comprometedor para a Holanda, porque agora forçava o time holandês a se abrir ainda mais, para buscar diminuir a diferença de gols que existe entre a Holanda e a Suécia.

Aos 71 minutos, Arjen Robben fez sua jogada típica. O camisa 11 holandês, recebeu a bola na direita, desceu em alta velocidade, cortou para a esquerda, tirou um marcador da jogada e finalizou no ângulo do goleiro Plamen Iliev, mas o arqueiro búlgaro estava ligado no lance e espalmou a finalização de Arjen Robben.

Para dá números finais ao jogo, aos 79 minutos, Quincy Promes recebeu a bola na esquerda e foi descendo com velocidade. O camisa 07 entrou na grande área da Bulgária, e no meio de dois defensores búlgaros, ele cruzou na cabeça de Davy Pröpper, que subiu sozinho e com estilo, finalizou de cabeça, sem chances para Plamen Iliev.

Na saída de campo, Arjen Robben conversou com a emissora holandesa de televisão, a NOS:

“É necessário vencer, por muitos gols. Mas achei o time apático no segundo tempo. É necessário marcar. Há vontade, mas é necessário mais movimentação”

A Holanda voltará a atuar, apenas em Outubro, quando irá enfrentar Bielorrússia fora de casa, e para finalizar as Eliminatórias, receberá dentro de casa, a Suécia. Será que o pulso ainda continuará pulsando forte?

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Filament.io 0 Flares ×

Leave a Reply

%d blogueiros gostam disto: